Ir para: Menu principal, Conteúdo


tags
Tags
ERC publica Relatório sobre cobertura jornalística das eleições europeias de 2019
2019/08/20

Regulador incidiu a análise nos noticiários da RTP1, RTP2, SIC, TVI e CMTV

O Departamento de Análise de Media da ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social produziu um Relatório sobre a cobertura mediática feita pelos canais de televisão RTP1, RTP2, SIC, TVI e CMTV às eleições para o Parlamento Europeu em 2019.

Esta análise observou o universo dos noticiários televisivos emitidos em período de campanha eleitoral (13 a 24 de maio de 2019) e teve por objetivo a identificação das presenças dos partidos políticos candidatos ao ato eleitoral, bem como dos seus representantes (candidatos e outros). A partir da identificação das presenças destas formações pretendeu-se caracterizar a atenção informativa atribuída a cada candidatura, identificando eventuais situações de desequilíbrio no acesso dos candidatos/candidaturas ao espaço mediático.

Além do registo das presenças das candidaturas, a ERC considerou também o enfoque temático evidenciado e o destaque dado à sua cobertura pelos órgãos de comunicação social, nomeadamente observando o tempo que lhe era dedicado nos blocos informativos.

Recorde-se que em períodos eleitorais, por considerar serem aqueles em que a observância do princípio do pluralismo político-partidário assume particular relevância, a ERC acompanha com redobrada atenção a cobertura mediática da informação sobre política nacional.

Em baixo, enumeram-se os principais dados que a ERC extraiu das 578 peças noticiosas recolhidas e que corresponderam a mais de 20 horas de informação diária. 

Na RTP1:

  • Registam-se 186 peças com a presença de candidaturas às eleições para o Parlamento Europeu que representam cerca de 4% do tempo total dos noticiários analisados.
  • Estas são maioritariamente peças editadas, estando ausentes peças de opinião e sendo raras as de análise política e de entrevista. Também não se observa a existência de peças de sátira ou crónica.
  • A maioria dos diretos cobre ações de campanha dos partidos - almoços, jantares, comícios.
  • 79% das peças concentram-se em protagonistas das cinco candidaturas com deputados eleitos para o Parlamento Europeu, em 2014.
  • As candidaturas sem representação no Parlamento Europeu quando presentes nas peças tendem a ter voz, seja em discurso direto ou indireto.
  • É patente a saliência da cobertura dada aos cabeças de lista seguidos pelos secretários-gerais dos partidos candidatos com assento no Parlamento Europeu.
  • Nem sempre as peças contêm conteúdos temáticos que remetam para assuntos europeus. Este facto pode ocorrer por seleção dos órgãos de comunicação social ou por omissão das próprias candidaturas.
  • Há uma proeminência das peças cujo tema central é o desempenho dos partidos e/ou dos candidatos, seguida das ações de campanha, política económica e sondagens. Parece haver um enquadramento muito centrado na performance e menos nas propostas concretas dos partidos.

Na RTP2:

  • Registam-se 71 peças com a presença de candidaturas às eleições para o Parlamento Europeu que representam cerca de 4% do tempo total de noticiários analisados. 
  • Estas são maioritariamente peças editadas, complementadas com uma peça de opinião, de análise das sondagens sobre a eleição. Não existem diretos para acontecimentos planeados no âmbito da campanha.
  • 84% das peças são protagonizadas pelas cinco candidaturas com deputados  eleitos para o Parlamento Europeu, em 2014. 
  • As candidaturas sem representação no Parlamento Europeu quando presentes nas peças tendem a ter voz, seja em discurso direto ou indireto.
  • É patente a saliência da cobertura dada aos cabeças de lista e aos secretários-gerais dos partidos candidatos com assento no Parlamento Europeu.
  • Nem sempre as peças contêm conteúdos temáticos que remetam para assuntos europeus. Este facto pode ocorrer por seleção dos órgãos de comunicação social ou por omissão das próprias candidaturas.
  • Um quarto das peças analisadas centra-se nas ações de campanha das candidaturas, sem conteúdos destacados de temas substantivos. Parece haver um enquadramento mais sobre a performance e menos sobre propostas concretas das candidaturas.

Na SIC:

  • Registam-se 189 peças com a presença de candidaturas às eleições para o Parlamento Europeu que representam menos de 3% do tempo total de noticiários analisados.
  • Estas são maioritariamente peças editadas, sendo residual a presença de peças de análise política e de opinião. A crónica jornalística está presente na rubrica “Um minuto de campanha”, que apresenta momentos risíveis dos candidatos em campanha. Não se observa a existência de peças de entrevista.
  • A maioria dos diretos cobre ações de campanha dos partidos - almoços, jantares, comícios.
  • 88% das peças concentram-se em protagonistas das cinco candidaturas com deputados eleitos para o Parlamento Europeu, em 2014.
  • A candidatura do PCTP/MRPP é a única sem representação parlamentar que surge, na única peça em que é referenciada, sem voz. Já a coligação Basta!, presente em sete peças, surge em cinco sem voz.
  • É patente a saliência da cobertura dada aos cabeças de lista e aos secretários-gerais dos partidos candidatos com assento no Parlamento Europeu.
  • Nem sempre as peças contêm conteúdos temáticos que remetam para assuntos europeus. Este facto pode ocorrer por seleção dos órgãos de comunicação social ou por omissão das próprias candidaturas.
  • Um quarto das peças analisadas centra-se nas ações de campanha das candidaturas, sem conteúdos destacados de temas substantivos. Parece haver um enquadramento centrado mais na performance e menos nas propostas concretas dos partidos.

Na TVI:

  • Registam-se 105 peças com a presença de candidaturas às eleições para o Parlamento Europeu que representam cerca de 3% do tempo total de noticiários analisados.
  • Estas são maioritariamente peças editadas, sendo residuais as peças de opinião e de sátira. Não se observa a existência de peças de entrevista e análise política.
  • São poucas as peças com direto, dividindo-se entre a cobertura de ações de campanha dos partidos - almoços,  jantares,  comícios.
  • 82% das peças concentram-se em protagonistas das cinco candidaturas com deputados eleitos para o Parlamento Europeu, em 2014.
  • É patente a saliência da cobertura dada aos cabeças de lista e aos secretários-gerais dos partidos candidatos com assento no Parlamento Europeu.
  • Nem sempre as peças contêm conteúdos temáticos que remetam para assuntos europeus. Este facto pode ocorrer por seleção dos órgãos de comunicação social ou por omissão das próprias candidaturas.
  • Cerca de um quarto das peças analisadas centra-se nas ações de campanha das candidaturas, sem conteúdos destacados de temas substantivos. Parece haver um enquadramento mais sobre a performance e menos sobre propostas concretas das candidaturas.

Na CMTV:

  • Registam-se 27 peças com a presença de candidaturas às eleições para o Parlamento Europeu que representam cerca de 4% do tempo total de noticiários analisados. 
  • Estas são maioritariamente peças editadas, sendo saliente a percentagem de peças de opinião, apesar de se referirem somente a quatro observações. As peças de análise política e entrevista são residuais. Não se observa a existência de peças de sátira ou crónica. Verificam-se seis peças com ligação em direto.
  • 80% das peças são protagonizadas por pelo menos uma das cinco candidaturas com deputados eleitos para o Parlamento Europeu, em 2014. 
  • É patente a saliência da cobertura dada aos cabeças de lista e aos secretários-gerais dos partidos candidatos com assento no Parlamento Europeu.
  • Nove das peças analisadas centram-se nas ações de campanha das candidaturas, sem conteúdos destacados de temas substantivos, seguido das divulgações de sondagens, que correspondem a quatro peças.

 

A versão completa do Relatório “Cobertura Jornalística das Eleições Europeias 2019” pode ser consultada aqui.