Ir para: Menu principal, Conteúdo


tags
Tags
Maioria dos quartos de criança tem televisão
2008/10/17

Pais utilizam TV como substituta da falta de disponibilidade. As crianças até aos 15 anos revelam uma "dieta pesada" de consumo televisivo, salientou a professora Cristina Ponte, na Conferência da ERC.

Os pais preocupam-se com os conteúdos mediáticos, sobretudo os de violência e sexo, mas 60% dos quartos de crianças e jovens até aos 15 anos estão equipados com este dispositivo. Esta é uma das contradições apontadas pelo Estudo de Recepção dos Meios de Comunicação relativas à exposição aos media de crianças e jovens.

A pesquisa, baseada numa sondagem nacional e num inquérito em 11 escolas da Grande Lisboa, aponta aliás que "não está em sintonia" o discurso de pais e filhos sobre as actividades mais frequentes das crianças e os equipamentos que existem no lar e no quarto.

Destaca-se além disso que os pais tendem a utilizar a televisão como uma alternativa da sua falta de tempo. Segundo a investigadora, se os mais novos passam horas do seu quotidiano à frente de écrãs, "é preciso questionar" como é que vêem televisão e utilizam outros media.

Pais são os melhores brinquedos

No comentário à apresentação de Cristina Ponte, o psicólogo clínico Eduardo Sá identifica como problema maior a forma como os pais lidam com a televisão e as novas tecnologias, mostrando-se inquieto "por saber que os pais sabem muito pouco sobre os filhos". "O quarto das crianças é como um enclave com autonomia administrativa", ironizou, defendendo que "os melhores brinquedos das crianças são os pais".

Jorge Wemans, director da RTP2, realçou como positivo que 40% dos pais revelem estar satisfeitos com os programas infantis. Na sua perspectiva, o que "é dramático é o silêncio" - a televisão é usada para ocultar a presença da criança na casa, a televisão em 60% dos lares fecha a criança num "silêncio social".

Este é um "estudo importantíssimo e relevante, chega com 10 anos de atraso", apreciou Pedro Tadeu. O director do 24 Horas considerou "imprudente desancar nos pais porque eles próprios foram educados assim". Segundo o seu testemunho pessoal, o uso da tecnologia não resulta necessariamente num impacto negativo para as crianças e jovens.

Pedro Camacho, director da Visão, reconheceu que, na actualidade, a televisão "é de facto baby sitter". Um dos aspectos do estudo que mais o impressionou é a pouca utilização dos meios de comunicação pelos professores nas salas de aula.

Oiça as intervenções de Cristina Ponte, Eduardo Sá, Jorge Wemans, aqui

Faça o download da intervenção de Cristina Ponte em MS PowerPoint (2,0MB)