Ir para: Menu principal, Conteúdo


tags
Tags
ERC estuda tratamento jornalístico das eleições europeias na imprensa e presenças de candidaturas em entrevistas, debates e artigos de opinião
2020/06/18

A ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social divulgou esta quinta-feira um Relatório que caracteriza a cobertura mediática das eleições para o Parlamento Europeu em 2019, na imprensa diária e semanal (Correio da Manhã, Diário de Notícias, Expresso, Jornal de Notícias, Jornal i, Observador, Público, Sol, Sábado e Visão), durante o período de campanha eleitoral (13 a 24 de maio de 2019). Em paralelo, o Regulador tornou também público um outro trabalho que analisa a presença dos candidatos/representantes em entrevistas e em artigos de opinião publicados nos citados jornais e revistas, bem como em programas de entrevista e debate na televisão (RTP1, RTP2, RTP3, SIC, SIC Notícias, TVI,TVI24 e CMTV) e na rádio (Rádio Comercial, Rádio Renascença, RDP Antena 1 e TSF), no período da campanha e na fase de pré-campanha eleitoral (26 de fevereiro a 24 de maio de 2019).

Ambos os trabalhos foram conduzidos pelo Departamento de Análise de Media da ERC com o propósito de identificar as presenças dos partidos políticos candidatos ao ato eleitoral, bem como dos seus representantes (cabeça de lista e outros) e, a partir da atenção informativa atribuída a cada candidatura, detetar eventuais desequilíbrios no acesso ao espaço mediático.

Recorde-se que em períodos eleitorais, por considerar serem aqueles em que a observância do princípio do pluralismo político-partidário assume particular relevância, a ERC acompanha com redobrada atenção o tratamento mediático da política nacional.

Com estas divulgações, a ERC dá por encerrado o acompanhamento da cobertura informativa das eleições para o Parlamento Europeu nos diferentes suportes de órgãos de comunicação social. Recorde-se que, em 30 de agosto de 2019, a ERC retratou a cobertura mediática nos blocos informativos da manhã e do final da tarde feita pelas estações de rádio RDP Antena 1, TSF, Rádio Renascença e Rádio Comercial e, em 21 de agosto, descreveu a cobertura realizada nos noticiários televisivos emitidos pela RTP1, RTP2, SIC, TVI e CMTV.

A análise aos artigos com presença das candidaturas ao Parlamento Europeu, publicada na imprensa durante a campanha eleitoral considerou como universo 934 peças, em formato impresso e online, distribuídas por 808 artigos nos jornais diários e 126 nos jornais semanários e nas revistas semanais de informação geral.

Nos jornais com periodicidade diária, a ERC verifica que a maioria das peças são artigos informativos que se apresentam sob a forma de uma breve, notícia, reportagem e vox-pop. As peças comentário têm um peso de 12% no Jornal de Notícias e no Público, de 6% no Correio da Manhã e no Jornal i e de 3% no Observador.

Nas publicações semanais (jornais e revistas), os géneros informativos ocupam entre 20 e 95% das peças e os opinativos, entre 5 e 50%. O Diário de Notícias, a Sábado e o Expresso são as publicações com maior número de comentários, enquanto o Sol e a Visão são os que registam mais peças informativas.

A ERC verifica também que as candidaturas dos cinco partidos políticos com eurodeputados eleitos em 2014: Partido Socialista (PS), Partido Social Democrata (PPD/PSD), Partido Popular (CDS/PP), Bloco de Esquerda (BE) e Coligação Democrática Unitária (CDU) são as mais mediatizadas em 2019. As candidaturas com eurodeputados são também as mais visadas, na qualidade de destinatário ou alvo, com espaço variável para a sua perspetiva, sobretudo em discurso indireto e quase sempre por palavras do órgão, sem citação.

Em toda a imprensa analisada, a ERC identifica que o tipo de representante mais frequente nas peças são os cabeças de lista das candidaturas e os secretários-gerais, presidentes e coordenadores dos partidos políticos. Os representantes são do sexo masculino em cerca de 80% das peças dos diários e entre 60 a 100% dos jornais e revistas semanais. As exceções verificam-se no BE e CDS/PP, uma vez que são partidos liderados por mulheres e que, no primeiro, a cabeça de lista é uma candidata do sexo feminino. Quase todas as peças referem os candidatos numa condição única, sem referência a cargos simultâneos ou anteriores.

Verifica-se ainda que o tratamento jornalístico das eleições europeias se reflete em manchetes, peças ou chamadas de primeira página entre 2 e 40% das peças analisadas nos diários, e entre 7 e 44% nas publicações semanais. A representação gráfica está concentrada nos partidos com candidatos eleitos ao Parlamento Europeu em 2014. Entre as candidaturas sem representantes eleitos, apenas o Pessoas — Animais — Natureza (PAN), Partido Democrático Republicano (PDR), a Coligação BASTA! e o Nós, Cidadãos! (NC) têm representação gráfica.

No que respeita aos temas, a ERC observa que nem sempre a cobertura da campanha remete para questões europeias, seja pela seleção dos órgãos de comunicação social, ou pelos acontecimentos na agenda dos candidatos. O Expresso Diário, Observador, Público e Visão são os órgãos que mais equilibram a cobertura de temas nacionais e de temas europeus, enquanto o Sol, o Correio da Manhã, o Diário de Notícias online e o semanário Expresso mediatizam mais questões nacionais.

Em matéria de presenças de candidatos/representantes em entrevistas e em artigos de opinião publicados nos jornais e revistas considerados, bem como em programas de entrevista e de debate na RTP1, RTP2, RTP3, SIC, SIC Notícias, TVI,TVI24 e CMTV e na Rádio Comercial, Rádio Renascença, RDP Antena 1 e TSF, a ERC chega à mesma conclusão de predomínio da representação dos partidos políticos já com eurodeputados.

A monitorização conduzida pela ERC apura que os canais televisivos generalistas de sinal aberto não transmitem entrevistas a representantes das candidaturas às eleições europeias, mas sim os serviços de programas temáticos informativos de acesso condicionado SIC Notícias e TVI24 e também a RTP3. Destas resultam 15 presenças das candidaturas Aliança, BE, CDS-PP, Coligação BASTA!, IL, Livre, Movimento Alternativa Socialista (MAS), NC, PAN, Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP), PNR, PS, Partido Trabalhista Português (PTP) e Partido Unido dos Reformados e Pensionistas (PURP). A CDU, o PDR e o PPD/PSD não integram qualquer programa de entrevista nas televisões.

Nos 17 debates televisivos, o PS, PPD/PSD, CDS-PP, BE e a CDU são os mais representados. A RTP3 exibe dez debates no modelo frente-a-frente sobretudo com os partidos com eurodeputados, mas também com dez cabeças de lista de partidos sem representação. A SIC/SIC Notícias, um debate com cabeças de lista e um segundo com os que alcançaram mais de 1% nas europeias de 2014, sem o MAS, Partido Nacional Renovador (PNR), PTP e o PURP. A TVI/TVI 24 transmitem um debate, a primeira parte em simultâneo e a segunda só na TVI24, com candidatos daqueles cinco partidos e do PDR.

Na imprensa, de 60 artigos de opinião/crónicas publicados durante a campanha, nenhum é de representantes das candidaturas. Só na pré-campanha, o Público veicula artigos de opinião de Rui Tavares, do Livre e de Paulo Rangel, do PPD/PSD, ambos já colunistas do jornal. Num número decrescente de artigos de opinião, o mesmo acontece com as publicações de Carlos Zorrinho, do PS, pelo Jornal i, de Marisa Matias, do BE, pelo Diário de Notícias, de Nuno Melo, do CDS/PP, pelo Jornal de Notícias, de Pedro Sande, do Aliança, pelo Correio da Manhã.

Também na imprensa, das 21 entrevistas a representantes das candidaturas, o PSD tem presença em quatro, o maior número para um partido político, seguido pelo BE e CDS/PP, cada um com três entrevistas. O Público e o Jornal de Notícias são os que publicam mais entrevistas, o primeiro dando voz a quatro partidos com eurodeputados, exceto o PS, e à Coligação BASTA!, ao Iniciativa Liberal, Livre, NC, PAN e PDR. Também o Jornal de Notícias não entrevista candidatos do PS, mas sim do Livre e do PAN. O Correio da Manhã, Diário de Notícias, Jornal i, Observador, Sol e a Sábado não publicam entrevistas a representantes das candidaturas.

Na rádio, nas 45 entrevistas transmitidas predominam as que dão voz aos partidos com eurodeputados eleitos. A maior parte (17) é emitida pela RDP Antena 1, a única que entrevista representantes de todos os partidos candidatos. A TSF e a Rádio Renascença transmitem 14 entrevistas cada. A TSF, só entrevista candidatos de partidos com assento no Parlamento Europeu: PS, PPD/PSD, CDU (três entrevistas cada), CDS/PP, BE (duas entrevistas cada) e de António Marinho e Pinto, candidato pelo PDR, antes eleito pelo Movimento Partido da Terra (MPT). A Rádio Renascença entrevista quase todos os eurodeputados, exceto do PS, Aliança e PCTP/MRPP e disponibiliza excertos de entrevistas aos representantes de partidos políticos sem presença no Parlamento Europeu, transcritas no seu sítio eletrónico. A Rádio Comercial não transmitiu entrevistas a quaisquer candidatos.

Os três debates transmitidos pela TSF resultam em 18 presenças de candidaturas ao Parlamento Europeu: do PS,PPD/PSD, CDS/PP, BE, CDU e do PDR.

 

A versão completa dos Relatórios “Cobertura Jornalística das Eleições Europeias 2019 - Imprensa” pode ser lida aqui e a do “Cobertura Jornalística das Eleições Europeias 2019 – Debate, Entrevista e Opinião – Televisão, Rádio e Imprensa” pode ser lida aqui.